Pular para o conteúdo principal

Rowe - Introduccion a la etica griega. Cap. I p. 21-29

ROWE, Cristopher. Introduccion a la ética griega. Trad. Francisco González Aramburo). México: Fondo de Cultura Económica, 1993, p. 21-29. Capítulo I – La justicia y los dioses: desde Homero hasta el siglo V.

Resumo: Pretende demonstrar, principalmente por meio da passagem da Odisséia sobre a vingança de Odisseu contra os pretendentes, as incoerências do sentido de justiça do período heróico. Para isso trabalha um sentido de moira e as questões envolvendo os sentidos da conduta dos personagens homéricos e dos próprios deuses. Defende também haver compreensões diferentes (mas não tão distantes) de justiça nos épicos homéricos, por um lado do poeta e por outro das personagens. Por fim estabelece algumas semelhanças e divergências entre as concepções arcaicas e as concepções antigas de justiça e destino, utilizando parte dos poemas de Sólon e Teógnis.

Resumo Analítico/Esquema:

1. A análise faz-se sobre o clímax da Odisséia – o episódio do assassinato dos pretendentes, feito por Odisseu com ajuda de seu filho, Telêmaco.

a. F. R. Dodds: compreende os acontecimentos do episódio como exemplar da retribuição divina, e sua interpretação tem verificação em vários trechos do poema.

i. O sentido de moira: o destino que cabe a todos e a cada um, podendo advir independente dos deuses ou aparecer em alguma forma personalizada.

ii. Há a verificação de culpa dos pretendentes: vários versos demonstram que as ações dos pretendentes deram causa ao que lhes aconteceu.

iii. Comparação com Egisto, na Orestéia: ambos teriam sido abatidos tanto pela moira dos deuses quanto pela sua própria maldade.

b. Problema à compreensão de Dodds: não responde à questão de se os pretendentes realmente mereciam seu destino cruel, e se as ofensas que provocaram são proporcionais ao fim que tiveram.

i. Proposta de que o tom moralizador não provém de Odisseu, mas sim de Homero. O código de vida que rege as personagens é o heróico, o qual estabelece a glória pessoal e os status como as únicas metas importantes. Já as atitudes percebidas no próprio Homero são bem diferentes.

c. Charles Segal: acredita que Homero introduziu em seu poema as perspectivas de seu tempo e sua própria interpretação da cultura heróica, fazendo com isso transparecer sua própria perspectiva moral pós-heróica. Dessa forma a Ilíada (bem como a Odisséia) apresentariam concomitantemente dois mundos, um das personagens e um do autor.

2. Uma das características da moralidade heróica é que em geral o homem deve valer-se por si mesmo. Ao sofrer um dano não havia a quem recorrer – não adiantaria apelar aos deuses, exceto em circunstancias muito específicas.

a. Somente aquelas condutas capazes de despertar a ira de Zeus provocariam uma ação dos deuses em resposta. E somente nesta esfera de ação que se poderia falar de um conceito de justiça em Homero.

b. Ademais, somente uma regra conduz as ações dos heróis – a de manter a timé (honra), seja pelo cumprimento dos deveres familiares e para com os amigos, seja em fins mais individuais.

c. As preocupações de Zeus demonstram uma limitação semelhante. Ele fará valer suas leis quando quebradas, tal como um rei mortal, com o mesmo interesse aprisionado por sua honra e status.

d. O conceito de justiça do próprio Homero é mais amplo, apesar dos valores heróicos não terem desaparecido completamente em seu tempo. Os deuses ainda não apresentam a imagem benevolente que é defendida tempos depois (por Sócrates e Platão), às suas ações não são dados motivos racionais para além da barganha entre deuses e homens, havendo qualquer resposta positiva apenas quando estes rendiam honra àqueles por meio dos sacrifícios rituais.

3. Semelhante a estas idéias está a concepção de moira em Sólon. O destino do homem está sob o risco constante da sorte, e de seus atos afetam a quem estiver no caminho, independente de ter dado causa. O homem bom e trabalhador pode acabar em ruína, o homem ruim e pouco esforçado pode receber bons frutos a depender de sua sorte.

a. A distribuição de bens e males pelos deuses não é compatível com a idéia de que se preocupariam com a justiça.

4. Da mesma forma, Teógnis, mais tarde, acusa a Zeus de conceder a mesma moira a todos os homens, independente de ser um justo ou um mau. Ele também questiona a ordem das coisas, que obriga o descendente inocente do injusto à desgraça e à vingança, enquanto o próprio injusto não é castigado.

a. No entanto o poeta não nega suas próprias crenças, nem considera que está para além delas. Não há contradição dessas passagens com a sólida moralidade que ele apresenta nos seus demais poemas. Mas Teógnis descobre problemas reais que serão aprofundados posteriormente pelos trágicos do século V.

5. Sólon acredita em um conceito de justiça estritamente ligado à obediência às leis.

a. Desde Homero, o pensamento sobre a idéia de justiça coincide em um ponto. Um homem justo se abstém de uma agressão não provocada. As idéias antigas se conservam em outros aspectos, e o castigo legal como sendo um instrumento da justiça divina.

b. Exemplo: Ésquilo, nas Eumênides, apresenta a corte do Areópago como a contrapartida humana das Eríneas vingadoras.

Mais comentários podem ser adcionados ao final da postagem, com questões a respeito dela.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A DUPLA MOTIVAÇÃO ENTRE ÁGAMÊMNON E ZEUS NO SACRIFÍCIO DE IFIGÊNIA

Segue abaixo o meu ensaio produzido para a matéria, Mito e Engano: a Ate na Ilíada, acompanhada na pós-graduação de Letras Clássicas, na Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP.
INTRODUÇÃO
No presente trabalho pretendemos analisar com brevidade o fenômeno da dupla motivação presente nas ações de Agamêmnon na tragédia de mesmo nome, primeira da trilogia da Orestéia, de Ésquilo. A passagem referente ao presságio das águias e da profecia reveladora de Calcas, em conjunto com os contornos do sacrifício de Ifigênia, tal como apresentados por Ésquilo, servirão de fundo para o estudo deste fenômeno construído na tensão entre determinação divina e autonomia das ações humanas. Agamêmnon, general do exército e sob o titulo do rei dos reis, reúne os gregos para a guerra contra Tróia. Está sob o juramento de seu cetro e deve seguir com a Justiça de Zeus pela vingança contra Páris e todo o povo de Príamo. Contudo se encontra incapaz de prosseguir, preso no porto de Áulida. Ártemis o …

Contextualização da Orestéia: Sobre a Guerra de Tróia, o Sacrifício de Ifigênia e a Maldição de Cassandra

Concentrar-nos-emos, aqui, em desenvolver um breve relado do corpo mítico e épico que embasa tanto a produção da Orestéia de Ésquilo, quanto o pano de fundo compartilhado por seus contemporâneos e pela sua audiência. Para esta produção, nos concentraremos – dentre as diversas narrativas míticas que embasam a obra de Ésquilo – naquelas a respeito da Guerra de Tróia, juntamente com o Sacrifício de Ifigênia e a Maldição de Cassandra. Ainda sim será um relato breve e tendo em vista as circunstâncias míticas que têm influência mais direta na peça. Esta escolha tem em vista a essencialidade da matéria para a compreensão da primeira peça da trilogia, Agamêmnon.

Na introdução, falar-se-á resumidamente da influência do mito e do épico no desenvolvimento do enredo da tragédia ática. Em seguida veremos versões míticas da (1) Guerra de Tróia; do (2) Sacrifício de Ifigênia; e da (3) Maldição de Cassandra e algumas passagens correspondentes da Orestéia.
A tradição dramática na ática tratava os contos…

Resumo recusado pela diretoria da ANPOF para participção no XIV Encontro Nacional de Filosofia

A relação entre justiça e vingança no enredo trágico pré-moderno e moderno: uma contribuição à teoria moral de Jürgen Habermas.

O trabalho pretende extrair duas diferentes concepções de justiça a partir das particularidades entre contextos éticos distintos, pré-moderno e moderno. A respeito disso, Habermas explica que: no mundo pré-moderno é possível interligar as diferentes ordens sociais a partir de um ethos comum, que permite a padronização de valores e instituições as quais recobrem os motivos e orientações da ação, por um lado, e interligam as normas políticas e de conduta, por outro; já no mundo moderno, pela racionalização do mundo da vida, ocorre o aumento do uso da racionalidade prática e cresce a reflexão a respeito da própria ordem e orientação ética tradicional, gerando as idéias distintas de auto-realização e autodeterminação as quais correspondem à diferenciação de questões éticas e questões morais. Para exemplificar as diferentes concepções de justiça, tratar-se-á do sen…